Sobre

7/10/2017

O Protegido

       Já li vários livros, mas O Protegido é o primeiro que leio no Clube do Livro, que agora tem um nome "Pena, Tinteiro e Papel" (Já entrei no Clube causando, pois os integrantes estavam muito bem sem um nome e euzinha já perguntei: "Então, qual vai ser o nome do Clube mesmo, porque quero divulgar que estou participando de um Clube do Livro, mas sem nome fica difícil" 😁 ).
      Ainda bem que o Mateus, o Felipe e a Vanessa são muito de boa e não ficaram nem um pouco bravos (por enquanto) e já se mobilizaram para escolhermos um  nome.


    Algo engraçado: eu comecei a ler o livro pelo meio. Gosto de ler epub e, não sei como, simplesmente abri em uma página no meio do livro e não percebi (Já vou avisando que eu não faço esse tipo de coisa... pouco rsrsrs). Mas o legal é que depois de perceber o que aconteceu, eu não parava de ler porque queria saber como as coisas chegaram até aquele ponto. Bom, vamos à resenha.


"A fantasia épica mais significativa e cinematográfica desde O Senhor dos Anéis. Inspiradora, obrigatória e totalmente viciante!"
- Paul W. S. Anderson, criador e diretor da série Resident Evil.

Ao cair da noite, eles surgem por todos os lados, famintos por carne humana, demônios de areia, de vento e até de pedra, conhecidos como terraítas. Depois de séculos, a humanidade definhou e se tornou refém da escuridão. Arlen, Leesha e Rojer, jovens sobreviventes, atrevem-se a lutar e encarar as trevas. O jovem Arlen recebe os ensinamentos de um mensageiro e descobre que o medo, mais que os demônios, é o mal a ser combatido. Leesha tem a vida destruída por uma simples mentira e se torna ajudante de uma velha e misteriosa ervanária. E o destino de Rojer muda para sempre quando um menestrel chega à sua vila com uma rabeca. Juntos, eles podem oferecer ao mundo uma última, e fugaz, chance de sobrevivência.
O impressionante universo criado por Peter V. Brett - que, assim como muitos de nós, foi educado com uma rígida dieta de romances fantásticos, HQs e Dungeons & Dragons - cativa e emociona o leitor, nos tornando parceiros e reféns de seu mundo e personagens. Peter constrói uma bela metáfora sobre o medo e como precisamos confrontá-lo todos os dias.   

      Esse livro retrata a história de Arlen, Leesha e Roger que vivem em um mundo dominado por seres mágicos que atacam à noite, trazendo o terror aos humanos. Em um tempo antigo, utilizando magia também, esses seres mágicos foram banidos para as trevas e durante muito tempo a segurança fez parte da vida de todos, porém, nos dias atuais, a magia é utilizada apenas para tentarem se proteger dos ataques mortíferos desses seres. Que tipo de magia é essa? Você vai precisar ler o livro para saber.
      As pessoas estão à espera de um Salvador que voltaria para livrá-los da terrível tormenta ao qual estavam enfrentando. Arlen, Leesha e Roger vivem em lugares diferentes e desenvolvem habilidades e poderes distintos e por conta de determinados acontecimentos acabam tendo seus caminhos cruzados.
      As personagens do livro apresentam atitudes e sentimentos iguais aos que temos hoje como medo, angústia, incertezas, teimosia, inveja e, ao mesmo tempo coragem, determinação, dedicação... As relações entre pessoas são as mesmas que vivenciamos no nosso cotidiano. Se tirarmos os seres mágicos e nos imaginarmos no passado podemos identificar tranquilamente o nosso mundo real.
         Além disso, a sociedade, a forma como se organiza e as diferentes culturas estão igualmente apresentadas. Um detalhe interessante é que na história do livro o mundo é dividido em Antes do Salvador e Depois do Salvador, o que é uma grande alusão ao Antes de Cristo e Depois de Cristo. Além disso, a forma como fé e pecado são abordados aproxima mais uma vez a história à nossa realidade.
         O autor deixou algumas pontas soltas e lacunas temporais nas vidas das personagens principais Arlen, Leesha e Roger, o que espero que sejam esclarecidas no próximo livro, que, por sinal, estou louca para começar a ler, pois a história é empolgante e intrigante ao mesmo tempo. Mas o que mais gostei do livro é a possibilidade que ele nos dá de analisar e entender as relações humanas, suas atitudes diante das situações e a forma como a sociedade se organiza conforme a predominância dessas atitudes. Mais que isso, permite nos vermos dentro da história e refletir sobre nossas próprias crenças, conceitos, pré-conceitos e ações nesse emaranhado de emoções e decisões desse universo chamado ser humano.      






Nenhum comentário:

Postar um comentário